Arquitectónico


Igreja de Santa Cruz

Igreja de Santa Cruz

Igreja de Santa Cruz

Em 1625, D. Afonso Furtado de Mendonça assistiu ao lançamento da primeira pedra do Templo de Santa Cruz, fundado no lugar onde estava o Cruzeiro de granito mandado erigir pelo Arcebispo D. Diogo de Sousa (1505-1532), na confluência das ruas do Anjo, de S. Marcos e Largo Carlos Amarante. Com esmolas dos confrades e sob o patrocínio do arcebispo primaz de Braga, conclui-se a primeira fase em 1653.

A Igreja de Santa Cruz constitui uma das mais elevadas e expressivas manifestações do período barroco na cidade de Braga, assumindo particular notabilidade a qualidade e riqueza da sua ornamentação.

Continuar a Ler

Na fachada, assinalados na arquitrave que encima as três portas principais de entrada no templo, destacam-se os treze instrumentos da paixão Cristo como a coroa de espinhos, os cravos, o azorrague, a esponja de fel, etc.

De enorme beleza e simplicidade, destacam-se, ainda, as duas torres sineiras que limitam lateralmente a fachada, onde se incorporam os relógios, e cuja ornamentação se deve ao mestre pedreiro Francisco Álvares.

No interior, muito amplo, destacam-se as capelas laterais, separadas por arcos e cujos altares ostentam esplendorosas talhas, onde se veneram várias imagens com relíquias de Santos de raro valor.

A capela-mor, coberta por uma abóbada de pedra em caixotões, possui obras de admirável beleza como o retábulo, os caixilhos e as sanefas das janelas, as portadas da capela-mor e dois armários relicários.

São, ainda, dignos de destaque, os púlpitos  com sanefa, o órgão e o arco abatido que sustenta a frente do coro alto.

 

ERPI

ERPI

Estrutura Residencial Para Idosos

No final do século XIX a Irmandade adquire vários edifícios no Largo Carlos Amarante, contíguos à Igreja de Santa Cruz, para aí instalar um Hospital. Mais tarde, em 1936-1937, tendo em vista a melhoria das condições das suas instalações hospitalares, a Irmandade de Santa Cruz lança-se na construção de um novo edifício para ampliar as instalações do Hospital existente, adquirindo, para isso, mais dois edifícios contíguos.

Na tentativa contínua de melhorara as condições das instalações, a Irmandade de Santa Cruz transforma o velho Hospital num acolhedor lar para pessoas da terceira idade, com espaços funcionais bem equipadas, salas de convívio, quartos individuais, de casal ou colectivos para duas ou três pessoas, onde se alojam, neste momento, perto de uma centena de utentes.

 

Infantário

Infantário

Infantário

Fundado em 21 de Novembro de 1988, o Infantário de Santa Ana ocupa hoje uma vasta área com frente para a rua dos Falcões.

Trata-se de uma moderna estrutura onde diariamente são acolhidas aproximadamente uma centena de crianças, desde os quatro meses aos seis anos. Possui um amplo jardim exterior, diversas salas lectivas e de convívio, um refeitório adequado aos pequeninos e um berçário.

 

Calvários

Calvários

Passos do Senhor

Parte integrante do património arquitectónico da Irmandade de Santa Cruz fazem parte os Passos do Senhor (Calvários). Os Calvários, que terão sido construídos nos séculos XVII e XVIII, são pequenas capelas distribuídas pelas ruas da cidade de Braga, adoçadas ou incrustadas nas paredes  onde se evoca o percurso de Cristo no seu caminho para o Calvário.

Além de embelezarem a Cidade e de se constituírem como pontos de interesse turístico-religiosos, os Calvários de Santa Cruz são parte integrante da Semana Santa de Braga, definindo o percurso da Procissão dos Passos que acontece no Domingo de Ramos.

 

Órgão

Órgão

Órgão de Tubos

O órgão da Igreja de Santa Cruz foi mandado fazer em 1742. É o terceiro que a Irmandade teve. A parte mecânica foi entregue a um mestre organeiro Galego, Miguel Mosquera: a caixa foi contratada com o entalhador António Marques.

Este aparelho recebeu ao longo dos séculos várias intervenções: uma do próprio Miguel Mosquera devido a ser atingido por um raio (1747): outra de Simão Fernandes Coutinho (1760), também galego: uma terceira por Manuel Sá Couto (1814) e, mais recentemente, a de António Simões (2000).

O conjunto do órgão inclui também a sinuosa varanda do coro alto em parte suportada por dois conjuntos de três atlantes com pés de animais.

Pires de Oliveira, Eduardo(2017). Os órgãos da Igreja de Santa Cruz, em Braga - 1581-2001. Braga: Irmandade de Santa Cruz